Limpeza laboratorial: Por que exige tantos cuidados?

Limpeza laboratorial

Para garantir a segurança e bem-estar de todos os envolvidos, é necessário seguir algumas instruções, como:

  • Não levar pessoas desconhecidas sem uma prévia validação dos responsáveis técnicos.
  • Não entrar ou permanecer nos laboratórios sem os equipamentos de proteção (EPI’s).
  • Manter o ambiente o mais organizado possível.
  • Não fumar, comer ou beber.
  • Não utilizar materiais descartados dos laboratórios.
Limpeza Laboratorial
Limpeza Laboratorial

MAIORES FONTES DE CONTAMINAÇÃO
Apesar de inúmeros esforços e procedimentos adotados, o maior causador de contaminação segue sendo de caráter pessoal (mãos na boca ou olhos, feridas e perfurações na pele). O motivo? A falta de higiene ao lavar as mãos e manusear os instrumentos no ambiente laboratorial.

Por isso, alguns cuidados pessoais são imprescindíveis:

  • Sempre lavar as mãos.
  • Sempre proteger os cabelos.
  • Utilizar uniformes e EPI’s.
  • Não usar maquiagens ou perfumes.

Além disso, é indispensável que a equipe responsável siga a risca as normas e instruções da ANVISA.

NORMAS E PROCEDIMENTOS
Como ação preventiva e de biossegurança, a ANVISA adotou normas e procedimentos com a finalidade de manter o ambiente laboratorial limpo e livre de contaminações, sujidades e materiais que não deveriam estar inseridos naquela rotina.

A ANVISA também destaca a necessidade de se atentar que os diferentes tipos de superfície, necessitam de diferentes tipos de limpeza.
Como: vidros, tetos, bancadas, pisos e equipamentos.

LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO.
O processo de limpeza no ambiente laboratorial vai além da remoção de sujidades. Esse, na verdade, é apenas o primeiro passo para garantir a boa execução e sucesso das demais etapas.

Exemplo: solução de água e sabão. Deve-se evitar a varredura, já que pode espalhar ainda mais os focos infecciosos pelo ar.

Já durante o procedimento de desinfecção é que ocorre a remoção e destruição dos micro-organismos em sua forma vegetativa.

Exemplo: uso de desinfetantes como hipoclorito de sódio, iodo ou formaldeído.

E para finalizar o ciclo: a esterilização. Ela é fundamental, pois assegura a qualidade dos resultados sem nenhuma interferência de micro-organismos, como fungos, bactérias, vírus e esporos.

A esterilização pode ser física (estufa, autoclaves ou radiação) ou química (Óxido de Etileno, Peróxido de Hidrogênio ou outra).

FREQUÊNCIA
Limpeza diária: recomenda-se higienizar o chão pelo menos uma vez ao dia, assim como remover o lixo seguindo as orientações de separação por categorias para evitar qualquer contaminação.

Limpeza geral: deve ocorrer mensalmente. Inclui vidros, tetos, bancadas, pisos e equipamentos.

EQUIPE E TREINAMENTOS ESPECIAIS
Como falado acima, o processo de limpeza, remoção e destruição dos agentes infecciosos necessita de atenção, conhecimento e profissionais que saibam manipular os produtos químicos necessários durante a realização das técnicas.

A escolha da equipe correta impacta diretamente nos resultados dos exames colhidos pelo laboratório, além de garantir a segurança e saúde dos profissionais envolvidos nas tarefas laboratoriais.

Com um time treinado e especializado, a APOIO sempre traz as melhores soluções com segurança, tecnologia e inovação para sua empresa. Clique aqui e conheça nossos serviços. Acesse nosso E-book sobre limpeza!

Conteúdos, dicas sobre terceirização de serivços

Visite nosso blog